Estratégias

A Câmara Municipal de Amarante, no processo de qualificação e reabilitação da cidade, tem vindo a apostar, ao longo dos últimos anos, na cultura e na criatividade enquanto fatores de desenvolvimento (urbano, económico, social e ambiental) sustentado e de promoção da internacionalização do concelho.

O setor da música tem assumido, neste contexto, um papel primordial, fomentado pelas práticas, dinâmicas, agrupamentos e manifestações existentes na cidade. Esta estratégia está assente num conjunto de medidas e políticas de apoio ao crescimento do sector da música, que se cruza e orienta uma política económica, social e cultural pensada para a cidade, e para todo o concelho.

Com efeito, a atração de empresas e profissionais qualificados e criativos, constitui hoje uma das grandes prioridades na estratégia do Município, designadamente através da InvestAmarante. Neste sentido, a InvestAmarante tem procurado estimular e agilizar o investimento no concelho, concedendo uma atenção especial a alguns destes setores emergentes – a par de outros setores económicos que são hoje muito importantes na atividade económica do município, onde se inclui o Agroalimentar, a Construção Civil, a Metalomecânica, o Têxtil e Calçado, o Turismo, o Comércio e Restauração, e ainda o setor da Madeira e Mobiliário.

Além disso, o Instituto Empresarial do Tâmega e o espaço de cowork atualmente existentes em Amarante orientam-se já para o apoio a empresas e profissionais que atuam em domínios artísticos, culturais e criativos.

Paralelamente, a Câmara Municipal de Amarante tem fortalecido uma política local de apoio aos criadores e ao fomento do trabalho criativo no concelho.

Destacam-se, a este nível, algumas das medidas de financiamento às organizações que promovem o ensino e a prática e difusão da música em Amarante: do apoio regular à Orquestra do Norte, estrutura profissional sedeada na cidade; às diversas associações culturais do concelho que promovem as práticas de música amadoras – bandas filarmónicas, ranchos,etc. – que têm sido apoiadas com subsídios à exploração e internacionalização, bem como à aquisição de instrumentos. No seu conjunto, estas medidas têm contribuído para que estas diversas instituições e grupos desenvolvam projetos de formação dos seus músicos que, em muitos casos, se lançam a partir da prática amadora em percursos de formação artística e de profissionalização.

Refiram-se ainda, por outro lado, os apoios existentes para a emergência de novas bandas de originais em Amarante, o que tem sido concretizado sobretudo através da atribuição de financiamento à Casa da Juventude para que esta disponibilize as suas instalações para o ensaio e gravação em condições profissionais a título gratuito ou custos mais reduzidos. Também o festival Band’arte, anualmente promovido pelo Município em parceria com instituições locais, tem permitido a consolidação deste esforço de apoio a jovens músicos locais.

Também existem, além disso, outro tipo de medidas que apoiam diretamente o transporte de alunos do ensino artístico – nomeadamente de música e dança, assegurando que todos os que necessitam têm iguais oportunidades de acesso.

Por último, no sentido de apoiar o trabalho criativo a Câmara Municipal promove dois prémios destinados a artistas de diversas áreas – o Prémio de Poesia Teixeira de Pascoes e o Prémio Amadeo de Souza-Cardoso; participa com mais oito cidades europeias no Salão de Jovem Criação Europeia (artes plásticas e performativas); e tem uma linha de apoio a edição e reedição de bibliografia de autores amarantinos.

Existe, por outro lado, uma clara orientação estratégica do Município que aposta na melhoria da qualidade de vida urbana em Amarante. O centro histórico da cidade tem, neste contexto, um particular destaque, tendo sofrido um conjunto de importantes melhorias nos últimos anos, seja ao nível do espaço público, como da requalificação patrimonial e de outro edificado.

Também neste contexto, o apoio e promoção, frequentemente em regime de coprodução, da realização de eventos culturais assumem-se como um elemento fundamental da melhoria do acesso da população à cultura, mas também como um fator de reforço da atratividade de Amarante. Efetivamente, a Câmara Municipal de Amarante tem vindo a fomentar, de modo consistente, o apoio à atração e produção de eventos com carácter regular e internacional e, por outro lado, na qualificação de espaços da cidade destinados aos eventos e à programação regular de música.

A este nível, a música tem beneficiado de um modo particular, através da realização de vários festivais e eventos regulares dedicados à música, na sua diversidade de estilos – do jazz e word music à música tradicional portuguesa, passando pelo rock, eletrónica ou hip hop, entre outros.

Importa ainda, por outro lado, realçar o papel assumido pelo Plano de Ação de Regeneração Urbana (PARU) da cidade de Amarante, que genericamente visa “a melhoria a prossecução da requalificação do tecido urbano, e espaço público, contribuindo desta forma para a valorização e desenvolvimento de uma cidade mais atrativa, competitiva e ambientalmente sustentável”.

No âmbito do PARU, destacam-se alguns projetos de requalificação urbana que estão diretamente relacionados com o fomento das atividades culturais e criativas em Amarante. Entre estes, encontra-se atualmente em curso ou em fase de arranque, a reabilitação de equipamentos como o Mercado Municipal (no qual a música assumirá um papel relevante na animação do espaço) e, sobretudo, o lançamento do projeto de reabilitação do Cineteatro de Amarante.

Simultaneamente, importa referir que existem outras políticas de valorização e recuperação do património musical de Amarante – como é exemplo, entre outros, a recente recuperação dos órgãos de tubos ibéricos existentes em três igrejas do centro da cidade – que também elas constituem um incentivo à sua fruição e, sobretudo, à utilização, seja para fins de formação, como de criação.

Esta estratégia de promoção e valorização da cultura e da criatividade de um modo geral, e da música em particular, enquanto fatores de desenvolvimento urbano sustentado de Amarante tem sido notória, num compromisso político sério e consequente que, necessariamente, também se reflete numa evolução positivo no sentido de um reforço do investimento público da autarquia nestes domínios.
Os impactos de uma estratégia como a de Amarante sentem-se a diferentes níveis, num significativo nível de literacia musical e performativa da população de Amarante, na capacidade de gerar atividade económica e negócio a partir da música e outros ativos criativos e consequentemente de criação de valor.

De igual modo, também é notório o impacto significativo que os diversos festivais e eventos públicos ligados à música têm tido ao nível do reforço da atratividade e internacionalização da cidade.

Por último, os efeitos desta aposta estratégica na qualificação urbana de Amarante apontam para a possibilidade de aqui se virem a concretizar processos de ‘clusterização’ do setor cultural e criativo local, concentrando no centro da cidade uma série de agentes e de atividades que, de diversas formas, estão associadas à cultural e, muito em particular, à música – das estruturas de ensino e formação à atração de novos negócios associados à programação de eventos, passando ainda pelos espaços dedicados ao apoio à criação e gestão de carreiras musicais.

”A cidade tem um enorme potencial cultural, não só pela presença da Orquestra [do Norte], mas pelo seu potencial endógeno, pelas suas instituições de caracter popular mas sobretudo porque toda esta panóplia de orquestras, bandas (…) conferem à cidade uma dinâmica cultural e um potencial de oferta para quem a visita.”

José Ferreira Lobo
Diretor Artistico e Maestro Titular da Orquestra do Norte

[Vídeo]

“Cada vez mais vemos desde crianças pequeninas, a adolescentes, adultos e idosos a desenvolver o gosto pela música”

Eugénia Magalhães
Membro de Grupo de Bombos

[Vídeo]

“Temos 146 alunos financiados pelo Ministério da Educação. Gostaríamos de poder dar a oportunidade a todos os alunos do concelho de Amarante que queiram inscrever-se em aulas de música.”

Professor Taí Laranjeira
Diretor Executivo CCA

[Vídeo]